Se expondo ao novo de novo!

guache e pincel

Desde minha experiência na The School of Life, estou ensaiando para fazer um curso de teatro para não atores. Melhorar o poder de comunicação e deixar um pouco da timidez de lado.
No dilema do faço ou não faço, perdi o prazo de inscrição. Navegando em outros cursos, encontrei um com o tema “Arte como terapia: um convite ao autoconhecimento.”
Desde que tive oportunidade de fazer terapia e participar de um processo de coaching, vivo uma busca constante de autoconhecimento (o impacto que isso tem na nossa vida é muito positivo!).

Já que tinha perdido a inscrição do outro mesmo, resolvi me aventurar nesse.
As aulas começam amanhã, eis que na semana passada recebei um e-mail com uma lista de materiais.
Na lista: tinta, pincel, revista, tesoura, cola, etc…
Quando li, minha primeira reação foi: “Onde eu fui me meter”. Não sou capaz de lembrar a última vez que eu peguei em um pincel e guache.

E ainda veio uma grande insegurança, pois eu sou péssima em desenhar meu máximo são aqueles desenhos de tracinhos, sabem?

Passado o momento reclamona, lembrei para mim mesma o que eu vivo falando aqui e para os amigos: O melhor da vida está bem longe da nossa zona de conforto – Clichê, mas verdade!

E agora estou eu aqui na ansiedade!
Já fiz a lição de casa e comprei os materiais, já li e reli a programação para tentar adivinhar o que me espera.
Resultado: estou empolgada!
E essa sensação é tão boa!
Se expor a novos universos nos leva a descobrir de fato quais são nossas verdadeiras paixões!
E pior, as vezes a gente até sabe, mas não se permite. Qual foi a última vez que você fez algo que você realmente gosta?
A gente vive fazendo o curso que vai ajudar a conseguir um cargo melhor, o idioma que a empresa precisa que a gente fala…
Mas, quando vamos fazer um agrado no nosso verdadeiro eu? Aquele amor pela música, culinária, arte, dança… Que a rotina fez a gente esquecer lá no final da nossa listinha de prioridades.

Sei lá o porquê eu resolvi escrever tudo isso, mas o simples fato de algo ter saído do meu controle (até então eu não sabia que para esse curso seria preciso material para pintura) e eu saber que estou prestes a viver momentos que nem me lembro das sensações, já me fez feliz!

Achei válido vir dividir isso aqui.

E como diz Lulu Santos: Vamos nos permitir!

Na próxima semana eu volto para contar como me sai nessa aventura.

Beijos

Talita.

Comente aqui!

One thought on “Se expondo ao novo de novo!

  1. Pingback: A Arte Como Terapia: Um Convite ao Autoconhecimento - Talita Viana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *